Próximo
Próximo
Próximo
Próximo
Próximo
Próximo

Fome de Poder

Dizem que nada nesse mundo supera a boa e velha persistência. Talento não supera, porque nada mais comum que talentosos fracassados. Genialidade também não, gênios não reconhecidos enquanto vivos é praticamente um clichê. Educação tão pouco, o que não falta ao mundo são os tolos educados. Ray Kroc persistiu.

John Lee Hancock investiga o passado desconhecido de traição e emboscada que se sucedeu para o surgimento do maior império alimentício do mundo. Os arcos dourados, símbolos da supremacia do sonho americano, revolucionaram o mundo ao embrulhar um sanduíche em tempo recorde graças ao seu inovador sistema de comida vertiginosa. Estava criado o fast-food. O que poucos sabem é como os irmãos McDonald (Richard e Maurice), que tiveram a melhor ideia da história do setor de restaurantes, colocaram tudo a perder fazendo o pior negócio da história.

Nunca traga uma raposa para o galinheiro. Essa máxima ratificada ao longo da narrativa da humanidade é básica, e fundamental. Os irmãos McDonald, que faltaram a aula elementar sobre negócios e a deontologia dos homens, escolheram, o self-made man, Ray Kroc (Michael Keaton) para ser o franqueador da então promissora McDonald's. Responsável pelo crescimento da marca, Ray esbarrou na modéstia dos irmãos enquanto viu o potencial imperialista que acabara de cair em suas mãos. Não se constrói um império sendo um ratinho tímido. A raposa viu uma brecha, e atacou.

Cortando por atalhos que desconhecem leis éticas e morais, Ray Kroc, aos poucos, limita os irmãos idealizadores e fundadores do McDonald's à palavra final dentro dos restaurantes. Mas do lado de fora, em cima e embaixo, suas autoridades acabam na porta, no chão. Ray havia monopolizado os terrenos do futuro império e com eles o dinheiro.

 

Contratos são como corações, foram feitos para serem quebrados. Os ingênuos irmãos perceberam tarde demais que negócios são similares as guerras, é cobra comendo cobra. Se um rival estiver afogando, você coloca uma mangueira na sua boca.

No fundo, o sonho americano, uma variedade de ideais com oportunidades e prosperidade para todos, pregava o lema de que pode-se tudo, não há limites para o sucesso. Ray Kroc levou esse ensinamento ao pé da letra.

A sorte favorece os audazes.

por Elmar Ernani