Próximo
Próximo
Próximo
Próximo
Próximo
Próximo

Legend

 

 

Brian Helgeland conduz a narrativa focada nos irmãos Kray, os gêmeos gangsters que espalharam o caos e a desordem em Londres na década de 60. O repertório dos famosos irmãos incluía intimidações, subornos, roubos, assaltos e assassinatos, quanto mais agressivos ficavam maior a repercussão recebiam e logo se tornariam um problema nacional.

 

É de amplo conhecimento que Helgeland escreve melhor que dirige, normalmente seus filmes são abarrotados de clichês e facilmente esquecíveis. Dito isto, é fácil reconhecer que Legend supera seus antecessores em todos os quesitos, e, se não chega a se tornar um filme, como um todo, significativo, tem qualidades para entreter os interessados no gênero.

 

O que realmente faz a diferença no novo filme de Brian Helgeland é Tom Hardy. O multifuncional ator coloca-se à prova a cada ano, filme após filme, sem limites ou preconceitos, e o resultado dessa vez é um show em dose dupla. Os gêmeos com suas personalidades singulares e totalmente diferentes exige mais de Hardy que o normal, e o ator comprova todos os elogios que acostumou receber nos últimos anos. Se o roteiro não tivesse sido tão infame e, ao invés de se focar em uma história de amor sem liga tivesse explorado mais os irmãos, Hardy poderia ter feito história.

 

O magnetismo e a força de Hardy carregam o filme a um patamar superior ao que lhe era devido. Vale a pena conferir.