Mesmo Se Nada Der Certo

 

 

John Carney retorna ao cinema autoral e independente misturando música indie e corações partidos assim como o fez naquela que é considerada sua obra prima, Apenas uma Vez.

 

No longa, uma cantora psicologicamente arrasada atravessa suas noites lamentando sobre a vida e se auto-punindo, até quando resolve se apresentar em um bar de gosto duvidoso. Lá, um produtor decadente resolverá investir em seu talento.

 

Com atuações leves e cinema sutil, valorizando a autenticidade e a criatividade, ao fazer da música um organismo do filme, Carney se sobressai das atuais comédias românticas piegas para entregar um "feel good movie" de respeito.