Próximo
Próximo
Próximo
Próximo
Próximo
Próximo

Pericle il Nero

O incipiente diretor italiano Stefano Mordini, em sua terceira produção, adapta o livro homônimo de Giuseppe Ferrandino. Riccardo Scamarcio, a nova sensação do cinema italiano que já estrelou mais de doze filmes nos últimos três anos, é Péricles, um violento soldado que faz qualquer tipo de trabalho sujo. Sua vida mudará quando, durante uma missão, conhece Missy, filha de outro poderoso chefe de uma organização criminosa.

Ambientado na Bélgica, esse clã, encabeçado por um implacável Don italiano, tem em Péricles o capanga ideal. Como um cachorro adestrado, ele entra mudo e sai calado limpando a bagunça daqueles que se tornaram um problema para a quadrilha. Sem usar revólver ou faca sua punição ao errante é vertiginosa e grotesca, humilhando-o física e psicologicamente.

Stefano Mordini retrata de perto um sujeito sem ambições ou interesses, que sobrevive fazendo o que é mandado como se sua vida só fizesse sentido ao executar missões. Obedecer e intimidar são suas sentenças diárias.

Nascido no leito da tragédia, Péricles é o indivíduo cuja existência já foi pré definida por outras pessoas desde seu nascimento, tornando-o preso à coerção da natureza. Quando ocorre a impossibilidade de acordo entre natureza e espírito, a ruptura irreconciliável dessas partes impõem a tragicidade máxima ao ser. Apenas através da fragmentação pode o homem se reinventar. Péricles, em decomposição desde a fonte, deverá encontrar seu meio.

Schiller, famoso letrista alemão, dizia que quando há infortúnio jurado, mesmo o bem deve causar algum dano.

por Elmar Ernani