Sin City: A Dama Fatal

 

 

Eva Green é uma desses raros casos em que a natureza atingiu excelência em todos os aspectos. Os diretores Frank Miller e Robert Rodriguez não poderiam ser mais felizes na escolha da Dama Fatal do título ao escalar a estonteante Eva.

 

Na trama, enquanto Nancy (Jessica Alba) tenta se vingar do Senador Roark após a morte de John Hartigan, Dwight (Josh Brolin) busca ajuda para enfrentar sua ex-amada, a enigmática Ava (Eva Green).

 

Apesar de numeroso, o elenco está preciso. Alba continua sensual com suas danças provocantes, mas a presença de Eva Green atordoa as mentes mais fortes e arrebata emocionalmente qualquer indivíduo que assista a projeção. Os diretores coagidos por uma força maior nos entrega Eva nua, de todas as formas e ângulos. Com seus seios voluptuosos e seu olhar letal e funesto, ela inebria os pensamentos, postulando posicões de divindades e despertando os mais puros desejos de euforia.

 

O filme em si não possui nenhuma novidade. Pega fórmula de sucesso do primeiro, do visual neo-noir aos personagens caricatos, e faz mais do mesmo. Para os fãs de HQs é um filme necessário, para os amantes da Eva Green, obrigatório.